Entrevista com Hélvio Sodré, novo contratado Sony Music
08/03/2017

Nesta última semana a Sony Music anunciou a contratação do cantor e compositor Hélvio Sodré que já estará lançando seu terceiro álbum, “Som e Silêncio” em todas as plataformas digitais no dia 10 de março. Confira a partir de agora um pouco sobre a carreira, vida e detalhes de seu novo projeto artístico.

01 – Você surgiu em 2012 com um primeiro projeto pelo selo Salluz. Sua proposta musical com uma sonoridade diferente do que havia até então no meio gospel recebeu boas críticas da mídia especializada e mesmo pelo público. Após este primeiro trabalho, contrariando as expectativas você deu uma pausa na sua carreira artística para dedicar-se a projetos pessoais. Agora, com este novo projeto você retoma seu lado artístico ou novamente é um projeto independente sem grandes pretensões de carreira?

Na realidade, o início da minha carreira ocorreu em 2009 com o lançamento do CD independente “Por aí”. Em 2012 lancei o projeto “Polo” pela Salluz e desde então não lancei nenhum álbum novo. Apesar de cumprir uma agenda de shows durante esse período, decidi focar na realização de alguns projetos pessoais e na busca por uma redefinição do meu trabalho que representasse com mais autenticidade a minha identidade artística. Acredito que esse novo projeto evidencia a maturação alcançada por esse processo e inaugura uma nova fase de grandes pretensões de carreira.

02 – Neste novo projeto “Som e Silêncio” você segue com um estilo próprio, com boas influências de MPB, pop e folk, letras criativas e bem elaboradas. Como foi o processo de produção deste trabalho? O que o público vai encontrar de diferente neste novo álbum e como espera ser a receptividade do público e da mídia?

Esse álbum diferencia-se dos dois primeiros porque pela primeira vez eu decidi assumir o desafio da produção musical. Foi um período de aprendizado muito grande e sem dúvidas ele é um CD que expõe muito mais a minha musicalidade e amadurecimento. Estou muito feliz com o resultado e com grande expectativa pela repercussão do álbum, que espero seja a melhor possível.

03 – Você é um artista jovem, letrista, músico … e que surgiu no meio gospel ainda na época em que a mídia CD tinha força total. Agora, com a chegada do formato digital e todas as transformações que causou na indústria fonográfica a sensação é de mais um recomeço. Como você está lidando com este momento da música? Como enxerga estas mudanças e como está lidando com tantas novidades?

Estou muito motivado para encarar os novos desafios do mercado. Acredito que essas mudanças tornaram o mercado mais plural, acessível e prolífico. Enxergo na mudança grande oportunidade para inovar e pretendo produzir muito conteúdo pensado para a internet, mídias e plataformas digitais.

04 – Voltando ao seu álbum e sua chegada na Sony Music. Quais músicas você aposta neste disco? Qual a primeira faixa que será trabalhada nas mídias? E como você iniciou seu contato com a Sony Music? Quais são suas expectativas para este novo projeto?

Esse disco possui dez faixas e gosto de cada uma delas. Acredito que as músicas “Paraíso” (gravada em parceria com o Marcos Almeida) e “Habacuque 3” são especiais e que as músicas “Astronauta” e “Simples Mortais” são canções fortes e impactantes que possuem grande potencial também. A primeira faixa a ser trabalhada será “Astronauta”, que por possuir muita dinâmica, consegue retratar um pouco das duas vertentes do disco que é composto de músicas mais “sonoras” (som) e de músicas mais introspectivas (silêncio), embora com linguagem e textura coesas. Meu contato com a Sony Music iniciou há alguns anos por meio do Maurício Soares, que demonstrou interesse em conhecer mais o trabalho, o que culminou em amizade e admiração profissional mútuas. Acredito muito nessa parceria e as expectativas para o novo projeto são elevadas e com perspectiva de um futuro promissor.

05 – Quais as principais referências para este projeto inédito? E a partir de quando você pretende pegar a estrada para trabalhar na divulgação de “Som e Silêncio”?

As referências para esse projeto são inúmeras, porque acredito que ele é reflexo daquilo que me formatou musicalmente até o momento. Posso citar alguns artistas que admiro como Marcos Almeida, Estêvão Queiroga, Gabriel Iglesias, Os Arrais, Andy Gullahorn, The Brilliance, dentre tantos outros. Pretendo pegar a estrada já a partir do lançamento do álbum, ou seja, estou pronto rs.